Estudantes são destaque em torneio internacional de Física

O grupo composto pelos alunos do Band, Arthur Okuda, Marcos Schwartz e Marciel Almeida (da 3.a série do Ensino Médio), participou do Young Physicists’ Tournament (Torneio Internacional de Jovens Físicos). Eles conquistaram a medalha de prata na competição na etapa brasileira.

A cada edição, 17 problemas são lançados e os alunos são desafiados a solucionarem. Para tanto, o Laboratório de Física e os professores do Band estiveram à disposição para que o grupo realizasse os experimentos. “Os alunos fizeram relatórios e experiências em um nível de Ensino Superior. O trabalho que foi feito aqui tem grande qualidade”, explicou Marta Rabello, professora de Laboratório de Física.

O grupo misto entrará, em julho, em uma nova fase que será feita no Reino Unido, também conhecida como “a Copa do Mundo da Física”. Os jovens físicos aprofundarão ainda mais a pesquisa feita anteriormente e competirão com outros vencedores das mais diversas nacionalidades.

“A participação auxilia não só no melhor conhecimento do conteúdo e das práticas relacionados à Física, mas também no desenvolvimento de habilidades essenciais como o trabalho em grupo e o debate”, comentou o estudante Arthur. “Além disso, contribui para aproximar o aluno das pesquisas científicas e do uso do método científico, o que é especialmente importante para quem busca seguir carreiras acadêmicas”, completou.

Física de Partículas é tema do Masterclass

Alunos da 3.a série participaram do MasterClass 2013, em parceria com a USP, o Instituto de Física Teórica (IFT) e a Organização Européia para a Pesquisa Nuclear (CERN), em uma atividade relacionada à Física Contemporânea e de Partículas. A atividade tem como principal objetivo introduzir alunos do Ensino Médio a esta vertente da Física que não é tão explorada nos estudos escolares convencionais.

Os alunos foram preparados em aulas especiais para que pudessem interpretar os dados apresentados pelo CERN (responsável pelo maior acelerador de partículas existente) na visita ao IFT. Nesta avaliação, eles analisam as informações profissionalmente, com a mesma rigidez que um físico estuda as milhares de partículas existentes no Universo.

“A oportunidade de vivenciar o dia-a-dia de um pesquisador de partículas elementares é de extrema relevância e muito divertido“, cometa o aluno Guilherme Tavares. “Analisar os dados recolhidos do acelerador de partículas do CERN como um verdadeiro cientista  e conversar por videoconferência com estudiosos do assunto foram as experiências mais marcantes para mim”, completa.

“Percebemos que a adesão tem aumentado muito apesar de esta ser uma parte da Física não muito divulgada. Por isso, estamos pensando em fazer uma edição no Colégio este ano para que todos os alunos possam participar.”, explica Alexandre Magno, professor de Física.